Jornalista, Empreendedora, Consultora de Moda, Workaholic. Aquela dos 30 e poucos. Libriana, Shopaholic, camaleoa, "marketeira". Apaixonada por moda, cultura e qualidade de vida!

05 março 2016

Spotlight - Segredos Revelados


Impactada e nostálgica...
São duas palavras que definem bem o filme Spotlight – Segredos revelados, em minha opinião jornalística. Por ter iniciado a minha carreira com algumas matérias investigativas, o filme me trouxe boas lembranças, principalmente nas cenas da Rachel McAdams e Mark Ruffalo, em todos os processos de apuração e sigilo de conteúdo a ser denunciado.


Spotlight é aquele filme que todo jornalista deveria assistir, pois esse espirito de ser fiel a apuração, ao compromisso com a verdade e de cidadania parece ter desaparecido das redações. Uma pena, pois eu já vivi a adrenalina do pré-lançamento de uma matéria bombástica e a recompensa de ter feito “justiça” a alguém. Pena que esse jornalismo, sem medo de represálias, sem censuras e corrupções, só acontece nos cinemas...



Mas vamos focar na trama, para quem não assistiu:

"Spotlight: Segredos Revelados" é dirigido por Thomas McCarthy e tem os atores Mark Ruffalo, Rachel McAdams, Michael Keaton, Liev Schreiber e John Slattery no elenco. O filme é baseado em uma investigação jornalística conduzida em 2002 por uma equipe do jornal "The Boston Globe" sobre pedofilia na Igreja Católica - o que acabou acontecendo mais tarde, quando milhares de casos de abuso em todo o mundo vieram à tona. 
A investigação dos repórteres de Boston comprovou que o Vaticano preferia mudar os sacerdotes de paróquia e cargo, afastando suspeitas de abusos, do que denunciá-los por crimes de pedofilia. A medida servia para evitar que os escândalos viessem a toda e abalassem a imagem da Igreja.
Spotlight" levou o Oscar de melhor filme e de melhor roteiro original. Na cerimônia realizada nos Estados Unidos, no domingo (28), o elenco pediu para o papa Francisco proteger as crianças e atuar no combate à pedofilia.   
O anúncio da vitória de "Spotlight" no Oscar coincidiu com vários dias de depoimento em Roma do cardeal australiano George Pell a uma comissão de justiça que apura a conduta da Igreja em casos de pedofilia na Austrália, dos anos 1980 em diante.

Leia mais em: Jornal do Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário