Jornalista, Empreendedora, Consultora de Moda, Workaholic. Aquela dos 30 e poucos. Libriana, Shopaholic, camaleoa, "marketeira". Apaixonada por moda, cultura e qualidade de vida!

08 outubro 2016

NOVAS ANÁGUAS DO FIGURINO DE “UM SARAU IMPERIAL”

Ruth Godinho, Flávia Miranda, Ana Maria, Andrea Dutra e Vania Moreira / Foto: DIvulgação

Dentre os principais atrativos do espetáculo “Um Sarau Imperial”, além da atuação das atrizes, está o figurino, que retrata com riqueza de detalhes o período Imperial. Desde quando reestreou, em julho deste ano, as peças sendo refeitas. A primeira parte foram os Pannier, mais conhecidos como “ancas”, que surgiram no século XVII, agora, é a vez das anáguas.

Também conhecida como Petticoat, a anágua nada mais é do que uma saia de baixo que pode ser considerada uma peça íntima para ser usada sob outra saia ou vestido. Essa prática começou a ser estabelecida em 1585, quando eram usadas por mulheres que queriam modificar o formato do seu corpo através das roupas.

“A anágua, volumosa ou dura, dava a saia de cima um formato de abóbora, dando a impressão de se ter uma cintura menor do que realmente a mulher tinha. Anáguas decoradas eram usadas à vista sob os vestidos com fendas abertas na frente em meados do século XVI e posteriormente no século XIX. Já as anáguas do século XVIII eram de lã ou seda acolchoadas para esquentarem o corpo e eram usadas com vestidos curtos ou jaquetas”, conta Suellen de Oliveira, consultora de moda.

No século XIX, onde ter um corpo “encorpado” estava associado à saúde, riqueza e o fato de pertencer a uma classe mais elevada, as anáguas tinham o papel fundamental de dar volume ao corpo, já que ser magra estava associado à pobreza, doença ou pertencimento à classe baixa. Até 1870, as anáguas estavam em alta, até surgir o Bustle, uma espécie de anca que dava volume apenas na parte de trás dos vestidos.

Podemos observar nos figurinos da dramatização Um Sarau Imperial uma reprodução muito fiel das peças da época, as anáguas unidas às crinolinas e às ancas vinham trazer mais volume a região do quadril da mulher, criando a ilusão de uma cintura mais fina e um corpo encorpado que era associado à riqueza, saúde e a nobreza” explica a consultora.

Quem quiser conferir de perto esse pedaço da história da família Imperial através da princesa Isabel, com figurinos de época e a riqueza de detalhes do século XIX, o espetáculo “Um Sarau Imperial” é apresentado todas às quintas, sextas e sábados às 18h30 no Cineteatro Museu Imperial. Para grupos escolares, as exibições são às quintas-feiras, às 13h30 e às 15h, mediante agendamento prévio.

Mais informações sobre “Um Sarau Imperial” podem ser obtidas através dos telefones (24) 2231-9707, (24) 99955-2730 e (24) 98101-4558, no e-mail contato@xdaquestaoproducoes.com.br ou na Fanpage da Xdaquestão Produções https://www.facebook.com/XdaquestaoProducoes.

SERVIÇO
“UM SARAU IMPERIAL”
Horário: quintas, sextas e sábados às 18h30
Local: Cineteatro Museu Imperial
Rua da Imperatriz, 220 – Centro

*Grupos escolares: quintas-feiras, às 13h30 e às 15h, mediante ao agendamento prévio

PRODUTORA RESPONSÁVEL
Xdaquestão Produções
(24) 2231-9707/ (24) 98101-4558
mauricioaraujodesigner@gmail.com
mauricioaraujo@xdaquestaoproducoes.com.br
mauricioaraujo.produtor@gmail.com

_____________________________________________________________
Agradeço a equipe da Comunicação Livre pela oportunidade de fazer a análise do figurino do Sarau Imperial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário