Jornalista, Empreendedora, Consultora de Moda, Workaholic. Aquela dos 30 e poucos. Libriana, Shopaholic, camaleoa, "marketeira". Apaixonada por moda, cultura e qualidade de vida!

08 novembro 2016

Arqueologia Contemporânea: Claudio Partes expõe a desconstrução da pintura no Palácio Tiradentes


Artista explora memória e camadas em mostra individual

Rastros de exposições passadas povoam as peças de “Arqueologia Contemporânea”, que acontece de 03/11 a 05/12 no Palácio Tiradentes. A mostra do artista visual Claudio Partes é fruto de uma exploração experimental e utiliza técnicas de restauro sobre painéis que integravam uma galeria de arte por quase 10 anos. Tudo para trazer à tona resquícios de exposições antigas, explorando o conceito de memória.

A mostra chega ao Palácio após chamar atenção da curadoria pelo sucesso alcançado no Centro Cultural Fase-FMP, em Petrópolis, onde estreou. O próprio espaço e as mostras que recebeu nos últimos nove anos motivaram o trabalho, que envolveu um processo conhecido como prospecção pictórica ao longo de 45 dias. O público pode acompanhar de perto a intervenção pública, em que o artista restaurou os painéis através da identificação das camadas de tintas sobrepostas nas peças, sem abrir mão de preservar seu valor estético e histórico. A proposta foi conduzir os visitantes à reflexão sobre a relação entre efemeridade e preservação e revivenciar o espaço, suas dimensões e expressões por meio de um diálogo que atravessa o tempo, integra e promove o reencontro. O processo de finalização das obras se dá na contramão da pintura, na sua desconstrução, onde a criação acontece removendo as camadas de tinta, resgatando o que foi e, em alguns casos, chegando ao seu ponto de partida que é a tela ou a parede branca.

As peças da primeira fase deste trabalho são algumas das que serão expostas no Palácio Tiradentes. Outras ainda são inéditas e foram criadas por Claudio Partes apenas para esta exibição. “O que mudou da primeira edição para esta foi principalmente a característica visual do suporte, pois por mais que em alguns casos sejam os mesmos, por terem sido recortado das ‘paredes’ do espaço de origem, eles passaram a assumir de forma mais forte uma relação com a pintura. Ao longo da intervenção anterior, algumas técnicas e ideias foram surgindo e sendo amadurecidas, somadas com pesquisas que trazem para esta exposição algumas soluções e expressões novas, tornando a experiência mais rica em termos artístico e sensorial”, reflete Claudio.

Responsável por esse resgate, o artista se propõe em trazer à tona, por meio das camadas de pinturas, a riqueza de informações em seus vários níveis e analogias. A obras se apresentam como um corpo, com registros e memória (envelhecimento, cicatrizes, as intervenções e seus significados) à mostra. Entre as influências para a intervenção estão a obra do artista Gordon Matta-Clark, ideias de poética do espaço de Bachelard e da sacralização do patrimônio de Bordieu.

Para a mostra no Palácio Tiradentes, ficam expostas 10 obras, sob o comando do produtor Elissandro de Aquino. Transpostos para outro espaço, os painéis são ressignificados. “Recorrendo a um chavão, as obras às vezes tendem a ganhar vida e força própria, e acredito que isso de certa forma está acontecendo com os trabalhos removidos de seus espaços de origem. Sua força enquanto “pintura” cresceu e enquanto processo de trabalho, ainda tendo as técnicas originais como norteadoras, se sofisticou. Acredito que dialogam bem com o espaço histórico do Palácio Tiradentes, proporcionando um contraste muito interessante”, explica o artista.

À primeira vista, as obras têm em comum um senso de oposição e antítese cronológica ao reunir elementos até então contraditórios. Mas um olhar mais aprofundado permite perceber que o tempo, o grande agente polarizador para cada camada exposta, ganha um novo status ao abraçar suas próprias cicatrizes. Na tela, as “feridas” são abertas. Saem as camadas de tinta e os pincéis e entram bisturi, lâmina de estilete, esponja e espátula. São ferramentas do restaurador e arqueólogo em busca da memória e do passado encapsulado e camuflado, em uma reflexão direta sobre a origem das coisas e o limite do que deve ser mostrado e do que deve manter-se em segredo.

Sobre Claudio Partes

Artista visual, fotógrafo e designer há mais de 25 anos, Claudio Partes realiza com “Arqueologia Contemporânea” a sua primeira mostra individual no Rio de Janeiro. Seu trabalho tem a imagem como grande norteadora e busca explorar ao máximo as possibilidades e meios para expandir a expressão e experiência.

Formado em Artes Gráficas (CFP-Senai, 1991), Claudio se especializou com cursos de extensão em Artes e Ofícios da Imagem (Museu Imperial) e de Educação em Escolas de Período Integral (UERJ), além de cursos livres diversos, com foco em desenho, pintura, arquitetura, cenografia e fotografia.

A formação do artista também se deu por meio de referências ecléticas. “Destaco Miró, que na adolescência me fascinou muito pela cores primárias e aparente simplicidade; Raymond Lowey, que me conduziu ao design; e nomes como Aloisio Magalhães, Wladimir Dias-Pino e Gringo Cárdia, além de estudos e obras inquietantes, provocativas e estimulantes de autores como Nietzsche, Jung e Bauman”, revela Claudio.

A leveza e a busca pelo essencial são algumas das características mais marcantes de seu trabalho, como um todo. Em alguns momentos, essas imagens assumem ares tênues, em uma aproximação do sentimental e espiritual, em contraposição ao material. O objetivo é sempre o de sensibilizar e evocar sentimentos. Esses são aspectos existentes em obras fotográficas como “3x4” (2008) e “Sútil” (2009) e em objetos como “Brasil” (2014) e o “Alfaiate de Asas” (em desenvolvimento), entre outros.

Além dos trabalhos individuais, vistos em exposições como “Fragmentos” (Centro de Cultura Raul de Leoni, Petrópolis, 2012) e “Ensaio BioGráfico” (Centro Cultural FASE - FMP, Petrópolis, 2013), Claudio traz no currículo coletivas como a Semana de Arte de Portinari (Brodowski - São Paulo, 1991), "Espaço Vazio" (Mac, Niterói, 2007), "Arte Garagem” (Petrópolis, 2009 e 2014) e “6 Descem a Serra” (Centro Cultural Light, Rio de Janeiro, 2014).

Serviço
Arqueologia Contemporânea
Período: de 03 de novembro a 05 de dezembro de 2016
Visitação: de segunda-feira a sábado, das 10h às 17h; domingos e feriados, de 12h às 17h
Local: Palácio Tiradentes
Endereço: Rua Primeiro de Março, s/nº – Praça XV – Rio de Janeiro/RJ
Informações e visitas em grupo: (21) 2588-1251 ou (21) 2588-1393
Entrada: Gratuita
Classificação: Livre


Nenhum comentário:

Postar um comentário